Presença das forças federais no Rio não reduziu indicadores de criminalidade

Homicídios, roubos de carros e de cargas aumentaram mesmo após operação integrada

30/08/2017 09:57:33



A operação integrada dos governos federal e estadual de combate ao crime não diminuiu a violência no estado do Rio. Um mês após o início das ações conjuntas — que começaram em 28 de julho —, três dos quatro indicadores criminais analisados pelo EXTRA tiveram aumento: homicídios, roubos de cargas e de veículos. Somente roubos a pedestres caíram. O levantamento comparou crimes registrados em delegacias de todo o estado nos 32 dias de operação com o mesmo período de 2016 — o critério é idêntico ao usado pela Secretaria de Segurança na análise dos índices de criminalidade.

 

Roubos de carros explodiram no período: enquanto, desde o início da operação, foram registrados 3.916 casos, no ano passado aconteceram 2.568 — aumento de 52%. Somente na capital, o crescimento foi maior, de 57% — 1.112 casos em 2016 para 1.756 este ano.

O roubo de cargas — citado como uma das prioridades pelas autoridades no início da integração — também aumentou: foram 610 casos registrados durante a operação contra 597 no ano passado.

Uma das três ações que contaram com participação de agentes federais e estaduais ao longo do último mês teve justamente quadrilhas de roubos de cargas como principal alvo: batizada de Onerat — carga, em latim —, contou com 5 mil homens num cerco ao Complexo do Lins, na Zona Norte. Na capital, roubos de cargas diminuíram 3%.

Os roubos contra pedestres foram o único indicador que apresentou melhora: são 4% de casos a menos em relação ao mesmo período do ano passado. A diminuição aconteceu predominantemente no interior do estado e na região de Niterói e São Gonçalo. Na capital, esse crime cresceu 4% e, na Baixada Fluminense, apresentou uma pequena redução, de 2% — 40 casos a menos, no total.

 

 

Apesar de ter à disposição 8,5 mil homens das Forças Armadas, o comando da operação só usou o efetivo disponível em três ocasiões pontuais durante o mês — operações “vagalume”, como definiu o ministro da Defesa Raul Jungmann, em que os militares entram e saem das favelas no mesmo dia. Além da investida no Complexo do Lins, aconteceram mais duas com o apoio dos militares, no Jacarezinho, também na Zona Norte, e em Niterói. Nenhum fuzil foi apreendido nessas três ocasiões.

Para comando, ‘ações são bem sucedidas’

Apesar de a maioria dos indicadores criminais ter piorado, para o Comando Militar do Leste (CML) o resultado das operações que aconteceram durante o último mês é satisfatório.

— Todas as vezes em que as Forças Armadas foram solicitadas, as ações foram bem sucedidas. Três operações sem incidentes graves e sem vítimas — afirmou o coronel Roberto Itamar, porta-voz do CML.

Ao longo do último mês, agentes da PRF estão fazendo bloqueios nas principais vias da Região Metropolitana. Homens da Força Nacional auxiliam em investigações da Polícia Civil. Há um mês, o EXTRA revelou que, das 11 operações com apoio de forças federais para reforçar a segurança no Rio nos últimos 25 anos, em apenas uma houve redução nos índices.










0 Comentário


Faça login na página para fazer um comentário
Entrar