Justiça fixa multa de R$ 500 mil a manifestantes pró e contra Lula

Movimentos favoráveis e contrários ao ex-presidente ocupam o entorno da Polícia Federal, em Curitiba. Decisão prevê punição diária aos militantes

14/04/2018 17:43:37



A Justiça do Paraná fixou multa de R$ 500 mil aos militantes que se mantiverem acampados nos arredores da sede da Polícia Federal em Curitiba. A decisão foi proferida na sexta (13).

De acordo com o despacho assinado pelo juiz substituto da 3ª Vara da Fazenda Pública, Jailton Juan Carlos Tontini, o valor da multa diária foi estabelecido “diante do elevado número de pessoas existentes na área e com o intuito de dissuadir os réus – evitando, inclusive, a necessidade de medidas mais enérgicas, como, por exemplo, o uso de força policial –, compreende-se”.

São réus desta ação a Central Única dos Trabalhadores (CUT), o Partido dos Trabalhadores (PT/PR) e Movimento UFPR Livre. A decisão foi tomada “para que se abstenham de transitar nas áreas descritas na inicial, não impeçam o trânsito de pessoas e coisas na mencionada área, bem como se abstenham de montar estruturas e acampamentos nas ruas e praças da cidade”.

Moradores próximos da PF reclamam de manifestantes

Moradores da área onde está o acampamento dos apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva reclamam do barulho e das ameaças que recebem dos manifestantes. A PF (Polícia Federal) fica no bairro Santa Cândida, na zona norte de Curitiba (PR).

A aposentada Gomes Oliveira disse que voltou para casa após a filha passar sete dias internada em um hospital e não conseguiu dormir por causa do barulho.

Manifestantes de movimentos contrários e favoráveis a Lula estão acampados no entorno da Polícia Federal, em Curitiba, desde a chegada do ex-presidente à sede da instituição no último domingo (7).

Cerca de 500 pessoas estão instaladas na vizinhança e moradores reclamam dos bloqueios realizados nas ruas. Nesta sexta-feira (13), a Procuradoria Geral do Município solicitou a transferência de Lula para outro local.

Polêmica

Para o professor de Direito Constitucional da PUC de São Paulo, Pedro Estevam Serrano, a decisão da Justiça do Paraná é inconstitucional. Na avaliação dele, as pessoas têm o direito de se manifestar, desde que pacificamente e sem ferir o direito de manifestação de outros grupos.

— “Os eventuais transtornos no local, como o barulho, por exemplo, são o ônus que temos que pagar pela democracia, disse Estevam Serrano.

 

Fonte R7

 










0 Comentário


Faça login na página para fazer um comentário
Entrar