Vacinação contra a gripe começa nesta segunda em todo o Brasil

Vacina é gratuita e será oferecida apenas a grupos vulneráveis, como crianças, idosos e gestantes; meta do governo é imunizar 54 milhões de pessoas

22/04/2018 12:34:07



Começa nesta segunda-feira (23) em todo o Brasil, a campanha de vacinação contra a influenza. A meta do Ministério da Saúde é vacinar 54,4 milhões de pessoas que fazem parte do chamado grupo de risco, pessoas que podem ser mais vulneráveis às infecções respiratórias pelos vírus influenza, entre eles o H1N1 e o H3N2.

Fazem parte deste grupo, crianças de seis meses a cinco anos, idosos acima de 60 anos, gestantes, puérperas, indígenas, profissionais de saúde, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, pessoas com doenças crônicas como hipertensão e diabetes, transplantados e professores da rede pública e privada.

 

Em São Paulo, a expectativa é vacinar 10,7 milhões de pessoas, o que corresponde a 90% da população-alvo da campanha. Ao todo, 6,5 mil postos de vacinação vão participar da campanha em todo o Estado. São mais de 36 mil profissionais envolvidos.

No Rio de Janeiro, por causa de um feriado estadual, a campanha começa na terça-feira (24). A meta é vacinar 4,5 milhões de pessoas nos 92 municípios fluminenses.

Para se vacinar, basta ir até uma unidade de saúde, levar um documento com foto e, se possível, o cartão do SUS e a carteirinha de vacinação.

Por decisão do Ministério da Saúde, a campanha vai ser dividida em fases. A primeira, que começa nesta segunda, vai ser voltada para pessoas com 60 anos ou mais, profissionais de saúde e população indígena. Veja a seguir quais são as etapas:

Vacina aplicada no SUS

Este ano, a vacina aplicada durante a campanha na rede pública de saúde é a trivalente, capaz de proteger contra três tipos de vírus: H1N1, H3N2 e FluB.

Muitas pessoas questionam se a vacina aplicada no Brasil vai proteger contra o vírus que círculos no segundo semestre do ano passado nos Estados Unidos e foi responsável por uma epidemia no país.

 
 

A expectativa de especialistas é que a vacina brasileira seja mais eficaz que a norte-americana por causa do subtipo de vírus.
A vacina aplicada nos Estados Unidos protegia contra o H3N2 de uma família, ou cepa, chamada de Hong Kong. Mas, a que circulou e fez vítimas no país norte-americano, foi da cepa Singapura.

A vacina que vai ser aplicada na campanha de vacinação do Ministério da Saúde em todo o Brasil protege contra esta cepa chamada de Singapura, como explica a infectologista do Hospital Emílio Ribas, Rosana Richrmann:

“A expectativa, mas é apenas uma expectativa, é que o H3N2 que circulou nos Estados Unidos circule aqui entre nós. Neste momento, a gente está vendo que está acontecendo a cocirculação dos três vírus, o H1N1, o tipo B e o H3N2. A vacina protege contra os três. A diferença é que a cepa que está dentro da vacina H3N2 do Brasil é diferente da cepa que estava dentro da vacina dos norte-americanos. Na nossa está a mesma cepa que circulou nos Estados Unidos. Então, em teoria, a nossa vacina vai ter um desempenho melhor do que foi a deles”.

Vacina é feita com vírus morto

Vacina é feita com vírus morto

Reprodução/Fotos Públicas/Osnei Restio/ Prefeitura de Nova Odessa

Vacina não provoca gripe

De acordo com a infectologista Marta Heloisa Lopes, do Departamento de Moléstias Infeciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP, não existe a possibilidade da vacina contra a influenza causar gripe.

“A vacina não causa gripe porque é uma vacina de vírus mortos, inativados, e além disso, fracionados. É uma vacina de subunidades do vírus. Diferente das vacinas de vírus vivos, o vírus Influenza não é capaz de se replicar no nosso organismo, uma vez que não está vivo. Portanto a vacina é incapaz de causar gripe”, explica.

A médica também destaca que quem tomou a vacina no ano passado precisa tomar de novo porque os vírus influenza sofrem mutações e a composição da vacina muda de um ano para outro. Portanto todo ano as pessoas precisam ser vacinadas para ficarem protegidas.

Confira tudo o que você precisa saber sobre a vacina da gripe

Quem deve tomar a vacina contra a gripe? Todos os adultos e crianças com mais de 6 meses de idade, em especial as pessoas que fazem parte do grupo de risco: crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas, maiores de 60 anos, imunocomprometidos, pessoas de qualquer idade com doenças crônicas como diabetes, doenças cardíacas e respiratórias, profissionais da saúde, indígenas e população privada de liberdade

 

Quem não pode tomar a vacina contra a gripe? A vacina tem poucas contraindicações. A primeira é crianças com menos de seis meses; as doses devem ser aplicadas apenas em bebês maiores. Quem apresentou algum tipo de reação alérgica à vacina em outro ano não deve voltar a tomar. A dose da vacina contra a influenza também pode ser perigosa para quem já teve a síndrome de Guillain-barré, uma doença autoimune que pode ser desencadeada por fenômenos infecciosos. Antes de tomar a vacina, estes pacientes precisam de orientação médica específica

 

Vacina contra a gripe causa gripe? Este é o maior mito em relação à vacina da gripe. A dose não causa a doença porque é feita a partir do vírus inativado, ou seja, morto, portanto não há a menor possibilidade de infecção

 

Posso ter reação à vacina? Sim, e é por isso que muitas pessoas dizem que ficaram gripadas depois da vacina. Os sintomas da reação podem ser confundidos com gripe e resfriado, mas a reação não causa sintomas respiratórios como o vírus influenza. Também existe a possibilidade de a pessoa já estar com o vírus no organismo, em período de incubação, antes que a vacina pudesse criar a proteção. É preciso lembrar que a vacina costuma ser tomada em época de alta transmissão de resfriados, que são causados por outros tipos de vírus que não estão na vacina 

 

Fonte R7










0 Comentário


Faça login na página para fazer um comentário
Entrar